Respostas do franchising para o cenário pós-crise

Comentários (0) Destaque Home, Franquia, Negócios

Por Rogério Gama
_

“Após a crise, o Franchising terá alguma vantagem em relação a outras formas de empreender?”

Saber formular corretamente as perguntas é o primeiro passo, embora não seja o início, para encontrar as melhores respostas em qualquer situação. A pergunta acima contém um equívoco – o de pensar que haverá um “após a pandemia”, do mesmo modo quando falamos “após o Natal…”, “após o Carnaval…” Faria mais sentido se a pergunta começasse com um “daqui pra frente…”, visto que muita coisa jamais voltará a ser como antes.

De qualquer modo, como diz o velho e bom ditado, “Pau que dá em Chico dá em Francisco” – o Franchising estará sujeito aos mesmos impactos que atingirão outras formas de empreender.

Por exemplo, a crescente opção pelo trabalho em “home-office” implicará grandes mudanças, principalmente na gestão de pessoas; o medo que muita gente ainda tinha do e-commerce foi simplesmente atropelado pela necessidade; sem falar no lazer e no consumo de bens e serviços que já estão revelando novos hábitos e preocupações dos consumidores.

De que precisarão as empresas para não apenas sobreviverem, mas prosperarem nesse mundo novo?

Pelo menos, 3 competências serão altamente desejáveis:

  1. Velocidade na implantação de inovações. A transformação digital deixou de ser uma opção. Sem os recursos digitais não será possível sequer entrar no jogo. Ganhá-lo será impossível.
  1. Gestão profissional, pois o nível de exigência dos consumidores irá aumentar em muitos aspectos: atendimento, padrão de qualidade, segurança e conveniência.
  1. Colaboração. O universo corporativo será menos “manda quem pode e obedece quem tem juízo” e mais “tu me ensinas a fazer renda que eu te ensino a namorar”. As empresas com perfil colaborativo serão as que melhor irão potencializar os benefícios das experiências e dos conhecimentos  compartilhados.

Velocidade, gestão profissional e colaboração fazem parte do DNA do Sistema de Franquia. Essas e outras importantes competências explicam o sucesso dessa forma de empreender no Brasil e no Mundo. Basta compararmos o crescimento do PIB brasileiro com o crescimento do Franchising para constatarmos o vigor desse modelo de negócio.

De fato, os impactos a que o Franchising estará sujeito daqui pra frente não diferem daqueles que irão impactar todas as outras formas de empreender. Mas a posse das competências necessárias para lidar com esses impactos fará toda diferença. 

Resumindo: O Sistema de Franquia não tem todas as respostas para esses novos tempos, mas, com certeza, é o modelo de negócio com mais recursos para encontrá-las.

Como escreveu o filósofo Schopenhauer, “O destino é que embaralha as cartas, mas somos nós que jogamos o jogo”.

Independentemente do quanto “as cartas” desse novo mundo estiverem embaralhadas, o Franchising saberá jogar o jogo do crescimento e da prosperidade.
_

Rogério Gama é Diretor Adjunto de Relações Institucionais da ABF Rio (Associação Brasileira de Franchising). Psicólogo, Mestre em Administração de Empresas pela PUC Rio, Master Coach pela SLAC – Sociedade Latino Americana de Coaching e especialista em Psicologia do Trabalho pela FGV RJ. Autor do livro “Franchising em 101 Perguntas” (a ser lançado oportunamente) e coautor dos livros “Franchising – Aprenda com os Especialistas” e “Franchising nas Linhas e Entrelinhas”.

Foto de capa: Artem Beliaikin no Pexels

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Pin It on Pinterest

Share This