Pratique o otimismo, mas saiba como usar o pessimismo a seu favor

Comentários (0) Desenvolvimento Pessoal, Erik Penna, Vendas

 V E N D A S  | Por Erik Penna

Associar os contrapontos permite encarar um momento ruim como algo localizado, passageiro e mutável, sem deixar passar possíveis armadilhas e problemas futuros 

As pessoas otimistas tendem a ser mais criativas que as pessimistas, isso é o que aponta os estudos realizados por Martin Seligman, um dos pioneiros da Psicologia Positiva. E o momento atual exige soluções criativas e inovadoras para superar obstáculos e se reinventar como pessoa ou profissional. Os otimistas ainda vivem mais, sofrem menos doenças cardiovasculares e vendem mais.

Várias pesquisas apontaram também que o simples fato de uma pessoa mentalizar algo positivo sobre uma situação que poderá ocorrer no futuro já aumenta em até 27% a liberação de endorfina, o hormônio conhecido como analgésico natural e que além de aliviar dores, desenvolve a memória, aumenta a concentração, melhora o humor e enriquece o sistema imunológico.

Shawn Achor, autor do livro O jeito Harvard de ser feliz, defende que pequenos êxitos, quanto enfatizados, se transformam em grandes realizações na vida das pessoas. Portanto, o caminho desde cedo não deve mirar nos problemas, mas sim, focar na solução.

E mesmo se algum ocorrido não pareça positivo, o ganho pode ser o aprendizado. Isso vai de encontro ao que disse Nelson Mandela: “Eu nunca perco. Ou eu ganho ou eu aprendo”. 

As pessoas otimistas encaram um momento ruim como algo localizado, passageiro e mutável. Já o pessimista enxerga um evento negativo como algo incontrolável e permanente e que renderá muito tempo de sofrimento.

Há duas formas de minimizar os efeitos do pessimismo em nossa vida: 

  • Contestação: Desconfiar, analisando a fundo se aquele aspecto negativo realmente procede ou é mera suposição ou achismo. 
  • Distração: Pensar em outra coisa, quebrando a corrente negativa ao levando os pensamentos para uma coisa completamente diferente.

Mas não se engane, há benefícios no pessimismo. É possível citar algumas vantagens como: o pessimismo combina com prudência, permite perceber as armadilhas possíveis. Pensar negativamente é uma espécie de habilidade de antever problemas e deslealdades.

No livro Felicidade Autêntica, o autor Martin Seligman mostra que há momentos em que ser pessimista é um bom negócio. Mas em que momento o pessimismo é indicado?

A dica para saber a hora certa de não empregar o otimismo é imaginar em cada situação, “qual será o preço do insucesso?”. Caso o fracasso seja muito alto, o otimismo é uma estratégia errada.  É melhor ser pessimista nesse instante.

Por exemplo: Vou beber e dirigir, afinal nada vai acontecer.

Qual pode ser o insucesso? Beber, sair dirigindo e matar alguém. Ou seja, o fracasso é caro demais.

Mas se a o desejo é se tornar uma pessoa mais otimista, a notícia é boa. William James, considerado pai da psicologia americana, certa vez, disse: “nossa vida não é nada além de uma massa de hábitos”, ou seja, cultivar hábitos positivos e treinar um olhar mais otimista sobre os acontecimentos é possível e transformador, até porque, nos tornamos aquilo que fazemos repetidamente.

E como treinar o jeito otimista de ser? É fácil, veja abaixo algumas dicas:

Pensamentos

A gente só consegue pensar uma coisa de cada vez. Na psicologia, a lei da substituição do pensamento ensina que não adianta lutar contra um pensamento negativo. Quando isso ocorre o mais indicado é trocar o pensamento por alguma coisa positiva, ou simplesmente pense em algo que te deixe feliz, afinal, a gente está onde nosso pensamento está. Lembre-se, o que você escolhe pensar determina como escolhe viver.

Autorresponsabilidade

Acabar com a autopiedade e o sentimento de coitadinho, parando de culpar os outros pelas coisas negativas que acontecem na vida, assumindo dessa forma o protagonismo da própria existência.

Atos de gentileza

Um dos termos mais buscados na internet durante a pandemia foi “como ajudar”, ou seja, as pessoas gostam de amparar e se sentem mais felizes quando ajudam o próximo. 

Efeito propagador

Não há como plantar laranjas e colher morangos. A vida é um espelho, simplesmente reflete nossas ações, por isso, seja otimista, faça o bem e provavelmente a colheita será compensatória e abundante. 

Portanto, mãos à obra e boas escolhas, afinal, somos frutos dos nossos hábitos e das nossas escolhas.

Foto de capa: cottonbro no Pexels

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Pin It on Pinterest

Share This