Omie mira clientes de até R$ 70 milhões, sem deixar PMEs

Comentários desativados em Omie mira clientes de até R$ 70 milhões, sem deixar PMEs Startups, Tecnologia

Sem abandonar PMEs, scale-up brasileira quer atrair também empresas nos regimes Lucro Real e Lucro Presumido 

Atenta aos impactos do novo Coronavírus (COVID-19) na economia brasileira e pensando em oferecer uma solução para empresas nos regimes Lucro Real e Lucro Presumido no processo de redução de gastos, a Omie – sistema de gestão em nuvem número um para PMEs – passa a oferecer uma alternativa 100% cloud e completa para apoiar as companhias com faturamento até R$ 70 milhões, de forma acessível e com operação remota. A iniciativa está apoiada na missão da scale-up de ajudar todos os clientes, do pequeno ao grande, a viver o pleno potencial da gestão de seus negócios, através de uma plataforma que resolve a complexidade dos processos, de maneira simples, intuitiva e segura. Além disso, o sistema de gestão buscará acompanhar toda a trajetória de crescimento de empresas, que podem nascer como MEIs e expandirem seu faturamento de forma robusta sem precisarem realizar migração.

“Por ser um ERP com alta profundidade funcional, o Omie vinha, desde o ano passado, conquistando clientes de grande porte, empresas que faturam mais de R$50 milhões, substituindo antigos ERPs tradicionais – algo que nunca planejamos e nunca corremos atrás. Nosso foco sempre foi o atendimento aos pequenos e médios negócios, 90% dos quais não usavam nenhum software antes de assinar o Omie. O crescimento dessa base Enterprise foi tão significativo que, em janeiro deste ano, publicamos uma nova tabela de preços, incluindo, pela primeira vez, empresas maiores, cobrando valores mais altos – mas ainda sem grandes pretensões”, conta Marcelo Lombardo, fundador e CEO da Omie.  

De acordo com o empreendedor, a scale-up brasileira, que antes era focada quase exclusivamente em pequenas e médias empresas, resolveu “pivotar” o negócio. A ideia é atender aos desafios das empresas de maior porte, que hoje têm boa parte do orçamento alocado em ERPs tradicionais. 

Dados da 30ª Pesquisa Anual do Uso de TI no Brasil, realizada pela FGV, mostram que as empresas investem, em média, 7,9% de seu faturamento em tecnologia. Um dos motivos pelo alto investimento na área é a utilização de sistemas de gestão financeira considerados ultrapassados e com altas taxas de implementação e manutenção, ou seja, um verdadeiro gargalo para momentos de crise. 

“Empresas com faturamento de até R$ 70 milhões ao ano tendem a gastar mais em sistemas de gestão ‘dinossauros’, em que as taxas de manutenção são cerca de 10 vezes a mensalidade da Omie. Queremos oferecer apoio a essas empresas com um sistema completo, simples e a um preço justo. Além do mais, um dos grandes diferenciais do nosso sistema é que ele é 100% cloud, ao contrário de alguns concorrentes, que oferecem um sistema hospedado em nuvem, ou seja, com a mesma ineficiência, o mesmo custo de manutenção e as mesmas soluções de dez anos atrás”

Marcelo Lombardo, fundador e CEO da Omie.


Até o roadmap utilizado pela equipe de desenvolvedores da Omie – composta por engenheiros de software experientes que acompanham o negócio desde sua fundação – sofreu alterações. A empresa decidiu adiantar o desenvolvimento de funcionalidades que estavam previstas para um futuro mais distante, como a incorporação do padrão CNAB, que permite a troca de arquivos entre bancos e clientes. 

Vale lembrar que o sistema da empresa é o único no mundo a contar com uma conta digital embarcada no software, o que diminui consideravelmente a demanda por conciliação bancária, já que o extrato do banco é o extrato do ERP. Em 2019, a funcionalidade rendeu Menção Honrosa de Inovação de Produto no Global SME Finance Awards, ao lado de gigantes como o Fundo Europeu de Investimentos e do Fundo de Desenvolvimento de Capital das Nações Unidas.

Todo este movimento de expansão, projetado e implementado em cerca de uma semana, foi feito sem que as PMEs fossem deixadas de lado.“Nosso objetivo nunca foi virar as costas para o pequeno e abandoná-lo em um momento tão difícil”, garante Lombardo. 

Para garantir uma gestão eficiente e segura durante um período em que muitos empreendedores se veem enfrentando pela primeira vez os desafios de gerenciar seus negócios de forma remota, a Omie está oferecendo o Omie.FIT – versão de seu sistema voltada para microempreendedores individuais e pequenos empreendedores que tem movimentação financeira de até R$ 180.000 ao ano – de forma gratuita durante os próximos 60 dias. O software inclui emissão ilimitada de notas fiscais e boletos, que a empresa oferece com um dos menores custos de mercado, R$ 1,89 por boleto, via Omie.CASH. Anteriormente, apenas os clientes de contadores parceiros da Omie tinham acesso ao benefício. 

Além disso, liberou o acesso a todo o conteúdo de educação empreendedora de sua plataforma educacional, o Omie.Academy. Os usuários podem escolher, sem nenhum custo, cursos de Programação Neurolinguística, Liderança e Gestão de Pessoas, Finanças Pessoais, Otimização de Redes Sociais e Business Process Outsourcing (BPO), entre muitos outros. 

“Estamos oferecendo nossas ferramentas de gestão e educação empreendedora de forma gratuita pelos próximos dois meses para apoiar os empreendedores que ainda precisam fazer essa transição e continuaremos oferecendo apoio ao ecossistema para diminuir o gap de eficiência da PME brasileira e gerar prosperidade para empresas de todo o País”, conclui Marcelo Lombardo.

Sobre a empresa: Omie é uma empresa brasileira que oferece uma plataforma de gestão na nuvem para pequenas e médias empresas, que reúne em um único lugar Sistema de Gestão (ERP, CRM), Educação Empreendedora e Serviços Financeiros, combinados de um jeito fácil de usar. Lançada em 2013, a Omie se diferencia do mercado por oferecer uma solução completa e ilimitada que os usuários adoram – 99% de aprovação – e por sua atuação regional, baseada em parcerias com escritórios de contabilidade atendidos através de sua Rede de Franquias, o que a torna a única empresa do segmento a figurar entre as 100 empresas que mais crescem no país, segundo o ranking da Deloitte, ocupando o terceiro lugar. Impactar o ecossistema empreendedor, levando produtividade e prosperidade, é o propósito da marca que tem como objetivo contribuir para que todos em seu ecossistema – colaboradores, parceiros, franqueados, clientes – vivam todo seu potencial.

Com informações de Ivan Netto, Pineapple Hub.

Área de comentários fechada.

Pin It on Pinterest

Share This