O novo normal pós pandemia: procurando caminhos

Comentários (0) Destaque Home, Gene Talks

Por Elton Ivan Schneider
_

Do mesmo jeito que o homem procura a mudança, ele resiste a ela. Esta expressão é atribuída a um dos maiores inventores do século XX, Thomas Edison, que registrou 2.332 patentes de novos produtos durante a sua vida. Na atualidade, podemos chamar de Refratário Digital, característica de quem é capaz de resistir a temperaturas muito altas, resistente a ação física ou química, em suma, um teimoso que não aceita que a tecnologia digital vai impactar os empregos, os negócios, a economia, a sociedade, os relacionamentos e tudo mais que você imaginar.

Termos como Transformação Digital, Indústria 4.0, Sociedade 5.0, Educação 4.0, Competências Digitais, vem sendo utilizados nos últimos 20 anos para demonstrar o impacto e a urgência que deveria ser dada ao uso das tecnologias digitais. Em seu ritmo normal de mudança, o comportamento humano vai sendo mudado aos poucos, muitas pessoas percebem a necessidade de mudança quando já é tarde, quando já foram engolidos, que o digam marcas famosas como Kodak, Bamerindus, Varig, Vasp, Chicletes Ping Pong, sorvetes Yopa. Sem falar em profissões como vendedor de enciclopédia, datilógrafo, acendedor de lampião, telefonistas de operadoras telefônicas, o organizador de pinos de boliche, o operador de telégrafo, reveladores de fotos, entre outros.

Uma tecnologia quando substitui um produto ou uma profissão, exige da pessoa impactada, tanto do profissional quanto do consumidoro desenvolvimento de novas habilidades, que podem ser físicas ou manuais, cognitivas, sócio emocionais ou tecnológicas, para que se possa voltar ao mercado de trabalho e de consumo.

Porém, este é o ciclo normal de transformação social ocasionado pela evolução tecnológica, o que estamos vivendo atualmente é a aceleração da transformação digital, devido a uma variável independente, incontrolável, não planejada e altamente impactante, uma pandemia viral que atinge todas as idades, negócios, economias, sociedade e governos de forma indistinta.

Até aqui, já sabemos como funciona, mas não sabemos ainda como será o futuro pós pandemia, se vamos tentar voltar ao antigo normal, se é que isso é possível, embora seja essa a expectativa de muitos refratários digitais, ou se o novo normal será tão impactante que irá gerar um abalo em nossas vidas maior do que a própria pandemia ao nos colocar em isolamento, distanciamento, separação ou afastamento social, tudo isso para não falar o termo lockdown.

Vamos a uma tentativa de prever possibilidades, diz um ditado árabe que aquele que tenta prever o futuro é um mentiroso, mas com base no que já sabemos sobre o nosso passado e sobre como as inovações tecnológicas impactaram nossas vidas, bem como, no que já vivenciamos na atual pandemia, o que aprendemos e o que teremos de impactos.
_

ÁreaComo eraComo estáComo será
Educação InfantilRecolhe os celulares, tablets e computadores – não são compatíveis com a sala de aulaUsa celulares, tablets e computadores – eles são a sala de aulaCapacita professores e alunos para o uso de tecnologias e metodologias de ensino da era digital
Ensino SuperiorEducação a distância – EAD, é para poucos e a qualidade é duvidosaEnsino Remoto com uso de tecnologias pode salvar o ano letivo e muitas Instituições de EnsinoVamos parar de discutir modalidades de ensino, para pensar um ensino em todas as suas possibilidades, o aluno é o centro do processo, não a metodologia ou tecnologia
Trabalho em Escritórios e EmpresasTenho minha mesa, meu computador, meu ambiente de trabalhoTenho minha casa com computador e acesso à internet para trabalharTenho competências digitais que me permitem realizar minhas atividades profissionais em qualquer local, principalmente remotamente – teletrabalho
AutomaçãoQuanto mais repetitiva, maior a possibilidade de automaçãoSe existe a possibilidade de automação, está sendo automatizadaA Inteligência Artificial passa a ser a referência para a realização de atividades repetitivas e padronizadas
MarketingRádio, TV, Revistas e algumas ações em redes sociaisTentativa de migração para as redes sociais, sem planejamento, sem estrutura, sem competências digitaisMigração para o Marketing Digital, para as plataformas de e-commerce, para o varejo digital, não estar no meio digital significa estar fora do mercado
Comércio de Lojas FísicasLojas Físicas, com estoques e custos altos de operaçãoTentativas de re-abrir, de vender digitalmente, de encontrar uma soluçãoLocal de vendas de Experiências de Consumo, como local de demonstração de produtos expostos em plataformas de e-commerce, deverá ser complementada com múltiplos canais omnichannel.
NegóciosA tradição, o escritório, a venda, o marketing, a fabricação e a entregaO tele trabalho (hoje office), a venda (home office), ações de marketing digital desconexas, a fabricação e a entregaA StartUp, o e-commerce, a logística reversa, o marketing digital, o tele trabalho (home office), a fabricação automatizada, a logística em múltiplos canais – omnichannel.
ProfissõesBusca de um curso superior para chamar de seu, de uma profissão para o resto da vidaQuestionamento se minha profissão, se meu emprego irá continuar existindo depois da pandemia e da transformação digital.Precisaremos desenvolver competências digitais, que nos permitam desenvolver novas competências ao longo da vida, a aprender a aprender, eis a questão.
_

Você pode estar se perguntando: e a automação das fábricas, do agronegócio, das telecomunicações?

Estes setores continuarão sua saga de transformação digital em qualquer tempo.  A pandemia ao estimular o uso das tecnologias em todos os setores da economia, ajudará no barateamento das soluções tecnológicas, e ao mesmo tempo, reduzirá a resistência dos usuários a produtos e serviços com tecnologia embarcada, como internet das coisas – IOT, intercomunicação de devices (TV + Geladeira + Tablet + Smartphone + Sistema de iluminação de sua casa), a relação preço x custo x facilidade de uso será determinante para as inovações.

Bem-vindos ao futuro da transformação digital pós pandemia, o novo normal, um motivo de pesadelos para os refratários digitais.
_

Elton Ivan Schneider é diretor da Escola Superior de Gestão, Comunicação e Negócios do Centro Universitário Internacional Uninter.

Foto de capa: cottonbro no Pexels

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Pin It on Pinterest

Share This