Ex-sócios da XP Investimentos faturam milhões vendendo calçados

Comentários (0) Destaque Home, Startups, Vestuário

Na foto acima: Marcelo Maisonnave, Pedro Englert e Eduardo Glitz, sócios da Yuool. (divulgação)

A Yuool registrou em maio e junho número de vendas superior aos meses de janeiro e fevereiro de 2020
_

Com matéria-prima importada da Itália, os calçados em lã merino Yuool se diferenciam por sua leveza, conforto e praticidade. Com modelos sem gênero e fabricados em cores neutras, os produtos são perfeitos para qualquer tipo de ocasião. Por ser uma fibra natural, com características biodegradáveis, a lã também é considerada uma matéria-prima sustentável, que funciona como isolante térmico o que a torna agradável no inverno e no verão.

Como uma forma de baratear o custo dos produtos, o negócio foi desenvolvido seguindo o modelo que no varejo é conhecido como DNVB (Digitally Native Vertical Brand), sigla para varejistas que nasceram no digital e se relacionam diretamente com o cliente, sem intermediadores.

A Yuool tem pouco mais de dois anos em operação e encerrou 2019 com um faturamento de R$ 7 milhões, o dobro do ano anterior. A startup, com sede no Rio Grande do Sul, tem como sócios Eduardo Glitz, Marcelo Maisonnave e Pedro Englert, três ex-sócios da XP Investimentos. É o primeiro investimento deles fora do mercado financeiro (hoje, eles também são sócios da Monkey, da Warren e da StartSe).

Bons negócios sempre crescem

A Yuool voltou a registrar alta no número de vendas no mês passado e bateu seu melhor resultado de vendas em 2020, superando, inclusive, os números de janeiro e fevereiro deste ano, período anterior às medidas de isolamento ainda em vigor no país. Em maio, a empresa já havia alcançado o melhor mês do ano. Impulsionadas pelo dia dos namorados, as vendas de junho tiveram alta de 5% em relação ao mês anterior.

“Nossos calçados são produzidos a partir da lã merino, uma matéria-prima bastante nobre e confortável. Para nós ficou claro que conforto foi algo muito buscado pelos consumidores da marca durante esse período”, explica Eduardo Glitz, sócio da startup. “Para quem ficou em casa, os tênis e as botinhas viraram uma opção útil para os dias frios. Além disso, podem ser usados quando houver uma reabertura e as pessoas puderem voltar a viajar e a circular normalmente.”

Agora, a expectativa de bons resultados para os próximos meses é alta. “Estamos atravessando esse período com nossos clientes ainda mais engajados com a marca. Nós nos comunicamos muito mais com a nossa base nesses últimos meses e também alcançamos um número grande de novos consumidores”, observa Glitz.

Além das botinhas de cano curto e dos tênis, com preços entre R$ 349 e R$ 399, a coleção da Yuool inclui um modelo de slide (R$ 199), chinelo com uma só tira. Durante a pandemia, o estoque do modelo foi inteiramente vendido e uma nova remessa do chinelo já está em produção. Todas os produtos podem ser conferidos no site da marca: https://www.yuool.com.br/

Certificação

Em 2020, os calçados Yuool receberam a certificação NATIVA Precious Fibers que avalia protocolos como: bem-estar animal, certificando as empresas que adotam a tosa livre de estresse e a proibição de mulasing, técnica de tosqueamento da ovelha que envolve a mutilação do animal; preservação do ambiente nas fazendas de criação dos animais, com ações para redução de impacto ambiental; e a defesa do direitos dos trabalhadores e agricultores envolvidos em toda a cadeia de produção.
_

Com informações de Jader Fernandes, Ovo Com.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Pin It on Pinterest

Share This