Design Sprint

Comentários (0) Gene Explica

Entregar um projeto ideal no prazo programado com o cliente parece fácil, mas em muitos momentos torna-se o pesadelo de muitas empresas. Mas você sabia que existe uma técnica que pode te fazer poupar tempo e entregar um trabalho de qualidade, ágil e preciso? Estamos falando do Design Sprint, uma ferramenta estruturada e colaborativa de conceituar e tangibilizar uma ideia em um curto espaço de tempo. Mas afinal, o que é e como funciona? O CEO da dti digital, Marcelo Szuster, responde.

1. O que é Design Sprint?

Criado pelo designer e escritor Jake Knapp, o Design Sprint é um processo de 5 dias desenvolvido pela Google Ventures, para responder questões críticas de negócio através do design, prototipando e validando ideias com os usuários. Ao invés de esperar para lançar um MVP (Minimum Viable Product) para descobrir se a ideia é boa ou não, processo esse que pode tomar vários meses, o Design Sprint é um atalho para o aprendizado, sem a necessidade de construir ou lançar o produto. Ele é uma maneira ágil, estruturada e colaborativa de conceituar e tangibilizar uma ideia em um curto espaço de tempo.

2. Qual a importância dele para as empresas hoje?

Durante a pandemia percebemos o quanto a agilidade nos processos de trabalho ajuda as empresas. Outro grande ponto importante é entregar um projeto ideal no prazo programado com o cliente. Investir em um processo de transformação digital otimiza os processos de produção e entrega valor aos seus clientes de maneira ágil e precisa, utilizando uma metodologia ao iniciar um novo projeto, conhecida como design sprint. O objetivo é buscar compreender quem são os usuários, quais são suas dificuldades e expectativas e como podemos oferecer uma solução que tenha valor real para seu contexto, através da utilização das ferramentas. Para o design sprint funcionar bem, é importante que as equipes estejam presentes durante todo o processo para garantir a maior eficiência e experiência para ambos os lados.

3. Ele é recomendado para todas as empresas?

A metodologia é flexível. Dessa forma, é possível adaptá-la para diversos contextos.

Um design sprint nunca é igual a outro, sempre pensamos em como conduzir as dinâmicas de acordo com o que é mais coerente para a necessidade dos clientes e para os usuários que utilizarão esse produto ou serviço.

Aqui na dti digital, por exemplo, adaptamos o Design Sprint para o formato digital, utilizando ferramentas de colaboração remota. Em outras situações, realizamos imersões indo a campo e conhecendo a fundo o negócio e os usuários também.

4. Quando ele deve ser usado?

Um projeto usando o design sprint é desenhado para diminuir o tempo de planejamento de cada etapa da execução, fazendo uma ideia sair do papel e se transformar em algo tangível. Isso faz do Design Sprint a metodologia perfeita para o impulsionamento de um projeto, ou de uma solução. Desde que haja a equipe necessária para fazer todas as etapas do projeto, o Design Sprint pode ser usado em qualquer ideia.

5. Como aplicá-lo em um projeto?

Para colocar o Design Sprint em prática é necessário decidir qual o projeto será gerido dessa forma, escolher quem fará parte da equipe de trabalho, convidar a todos para as reuniões diárias para colocar o passo a passo em prática. Esse processo posiciona a tecnologia e, principalmente, o usuário no centro do desenvolvimento do negócio. A sua metodologia, neste aspecto, acaba sendo necessariamente colaborativa, abrangendo seis etapas essenciais: compreensão, definição, argumentação, decisão, prototipagem e aprovação.

6. Quais os cuidados na hora de fazer?

O essencial para o Design Sprint é o tempo. Cada minuto das reuniões coletivas é essencial para que após os 5 dias, o trabalho tenha um formato definido e possa ser considerado resolvido. Então é necessário desenhar cada etapa com antecedência e preparar os profissionais que participarão, com isso será possível deixar tudo mais alinhado e funcionando com mais rapidez.

7. Quais são as etapas de um Design Sprint 

Entender e Definir:

O primeiro dia é dedicado a entender e definir. Antes que os participantes possam criar qualquer coisa, eles precisam entender o desafio que enfrentarão. 

Qual problema eles estão tentando resolver? Para quem eles estão projetando? No final do 1º dia todos tem que estar bem alinhados e com conhecimentos nivelados em relação ao problema a ser trabalho.Algumas ferramentas utilizadas nessa etapa são: Conversa 360º, Sombra, Personas.

Divergir e Decidir:

No segundo e terceira dia, ocorrem as etapas divergir e decidir. Uma vez que os participantes adquiriram um entendimento do produto e dos seus usuários, é hora de divergir. Essa fase é fundamental e todas as ideias são bem vindas. São utilizados brainstorms individuais e em time e o UX Flow para explorarmos todas as ideias. Em seguida, é necessário decidir qual ideia será explorada a seguir na prototipação.

Prototipar e Validar:

Continuamos as atividades com a prototipação, seguida pela validação. Durante essa fase, os participantes trabalham juntos em um protótipo. Essa é uma forma de testar ideias sem investir muito dinheiro, horas ou recursos. Como prototipar? Criando protótipos rápidos em papel e navegáveis. Em seguida o resultado é validado com os usuários e, caso não tenhamos atingido um resultado satisfatório, o ciclo pode ser reiniciado sem grandes perdas.

8. Quais são os ganhos ao se aplicar um Design Sprint?

O Design sprint ajuda a definir problemas, reduz as incertezas ao testar uma solução, permite a validação hipóteses, bem como  a criação de um ambiente mais empático e colaborativo com todas as pessoas envolvidas no negócio/produto.
Além disso, a metodologia facilita a comunicação entre pessoas de diferentes áreas e incentiva a cocriação dos times. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Pin It on Pinterest

Share This