Como evitar prejuízos causados pelo downtime da rede

Comentários (0) Giro PME, Negócios, Tecnologia

por Luis Aris
_

A economia digital só acontece quando a infraestrutura digital funciona de forma azeitada, com performance e confiabilidade. Toda rede é, por definição, um ambiente complexo, formado em parte por recursos internos de diferentes vendors e gerações, e cada vez mais conectada à nuvem.

Sem visibilidade sobre esse universo, o negócio pode parar. Pesquisa do Gartner indica que o prejuízo médio, por minuto, causado por downtime é da ordem de US$ 5.600 ou R$ 28.000,00. Chega-se a esse valor somando perdas em vendas, perdas em produtividade, o custo para recuperar o sistema e ainda custos intangíveis – muitas vezes de valor da marca – causados pelo downtime. Os administradores de rede estão bem familiarizados com essa equação. 

Para tentar aferir quais são os problemas que mais afetam a continuidade dos negócios, a Paessler fez uma pesquisa (entrevistas) com centenas de administradores de redes de todo o mundo. Veja abaixo os 5 principais desafios mencionados pelos executivos entrevistados: 

#1: Problemas de conectividade de rede

Independentemente de como os dispositivos estejam conectados a uma rede, é necessário garantir que eles estejam operacionais. Muitas vezes são os usuários que informam, por exemplo, que não é mais possível acessar um servidor ou que nenhum dado está sendo recebido. Com o sensor correto, é possível saber que um dispositivo está inatingível, além de conseguir uma visão geral do tempo de disponibilidade (uptime) de cada dispositivo.

As redes são uma parte crucial da infraestrutura de qualquer empresa. Se você monitorar constantemente o desempenho da rede, será capaz de reagir a muitos problemas antes de os usuários ou clientes sequer perceberem o problema.

Há diferentes tipos de sensores capazes de verificar a disponibilidade e o desempenho da rede. Isso inclui sensores que monitoram os parâmetros básicos de sua rede e sensores que monitoram o status dos componentes de hardware, incluindo dispositivos IoT.

#2: Gargalos de largura de banda

Problemas de largura de banda não apenas causam acesso lento a bases de dados e servidores de arquivos, mas, também podem provocar downtimes. Uma certa quantidade de largura de banda precisa estar disponível, especialmente para aplicações que trabalham com arquivos grandes, para que a aplicação ofereça uma boa UX. Quando se utiliza VoIP, é ainda mais importante ter suficiente largura de banda. Quando a largura de banda não é suficiente, acontecem imediatamente falhas na entrega de arquivos de imagem e voz. Diferentes sensores de largura de banda ajudam o gestor a encontrar gargalos em sua rede e resolvê-los.

Isso inclui sensores que analisam a largura de banda de sua rede e sensores que monitoram a Qualidade de Serviço (QoS) em uma rede, medindo todos os parâmetros de rede relevantes para VoIP.

#3: Falta de espaço em servidor

A falta de espaço de armazenamento de dados em um servidor faz o servidor funcionar com extrema lentidão ou, até mesmo, parar de funcionar. Em alguns casos, nem é mais possível efetuar logon. A capacidade do disco rígido diminui por motivos desconhecidos. Diversos sensores de armazenamento e de servidor de arquivos remediam o problema. Há sensores que informam se o espaço de armazenamento disponível está sendo consumido de maneira incomumente rápida. Isso permite que o administrador atue, evitando o downtime. Os sensores que fazem esse trabalho são compatíveis com tecnologias como NetApp, Dell e HPE, entre diversos fornecedores do mercado.

#4: Violações de segurança

As violações de segurança devem receber a maior atenção, o mais rapidamente possível. É aqui que os maiores perigos costumam surgir! Por isso, muitas empresas usam câmeras de vigilância e controles de acesso. Quem, porém, monitora a estação de vigilância? Existem soluções específicas para monitorar o seu ambiente de CCTV. Adicionalmente, você pode criar um painel de controle onde possa ter, por exemplo, uma visão geral da imagem ao vivo das câmeras mais críticas.

A transformação digital está trazendo mais equipamentos, como dispositivos de CCTV, para as nossas redes. Se essa rede intrincada de dispositivos e sistemas cair, grandes problemas poderão ocorrer.

Um sistema central que monitore tanto os equipamentos clássicos de TI como os de CCTV reduz o tempo necessário para encontrar problemas na rede, caso algo errado aconteça.

#5: Problemas com ISPs

Nada é mais irritante do que quando a conexão com o seu ISP (Internet Service Provider) se torna indisponível. Em um caso assim, não somente páginas da web deixam de poder ser acessadas, mas também o acesso a recursos da rede a partir de, por exemplo, locais remotos é impossibilitado. Ou seja, um quadro crítico num momento como o atual, de pandemia.

A falta de conexão com o ISP pode derrubar lojas virtuais, o que significa perdas financeiras e clientes insatisfeitos. Plataformas com diversos sensores HTTP podem informar o gestor de TI se páginas da web externas ou internas estão disponíveis e quanto tempo é necessário para carregá-las totalmente. É possível concluir rapidamente se é um problema seletivo ou até mesmo uma falha na conexão com a Internet.

Quem sofre um downtime paga caro por isso.

Uma forma de evitar isso e garantir a continuidade dos negócios é utilizar sensores para monitorar a rede. A crescente digitalização da economia, no entanto, exige que a plataforma de monitoração esteja sempre em expansão, com novos sensores sendo disponibilizados constantemente. Só assim será possível manter, sob os olhos do administrador de rede, todo a infraestrutura que suporta o negócio.

Luis Arís é Gerente de Desenvolvimento de Negócios da Paessler América Latina.

Foto de capa: Brett Sayles no Pexels

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Pin It on Pinterest

Share This