4 motivos para continuar trabalhando de casa

Comentários (0) Administração, Gene Talks

Por Tiago Santos
_

A quarentena fez com que o trabalho remoto fosse imposto por empresas que nunca sequer tiveram tempo de implementar essa experiência gradualmente na rotina de seus colaboradores. Dessa forma, quando o home office deixou de ser uma questão de escolha, a primeira reação das pessoas que de repente tiveram que “abandonar” o escritório foi a negação. 

Negação, raiva, barganha, depressão e aceitação, são reações normais e esperadas em processos de mudança. Quem concluiu isso, em 1969, foi a psiquiatra Elisabeth Kübler-Ross, quando estudou os comportamentos emocionais de pacientes com doenças terminais que passavam pelo luto devido a uma morte, denominando esse processo de “Curva de Mudanças”. Mais tarde, a psicologia descobriu que o modelo Kubler-Ross também é verdadeiro quando se trata de negócios, trabalho ou emprego. Essas reações acontecem com todos nós a qualquer nova aprendizagem ou mudança em nossas vidas. 

Quando fundei a Husky, eu e meus sócios tínhamos uma única certeza: seria uma empresa 100% remota e os funcionários poderiam trabalhar de qualquer lugar do mundo. Pensando nisso e porque acredito verdadeiramente na cultura do trabalho remoto, aponto 4 motivos para continuar trabalhando em casa. 

#1
Não precisa esperar o final de semana para ser feliz!

Quem faz o seu horário é você, mas os resultados também. Isso requer muita disciplina, fato, porém é recompensador. O trabalho é assíncrono, por exemplo: se quiser marcar uma praia com amigos em plena terça-feira de manhã, voltar às 13h e compensar em qualquer outro horário que for bom pra você, está tudo bem – contanto que a entrega dos resultados seja a mesma. Isso significa ser dono do seu próprio tempo e te possibilita viver sem ficar sempre esperando o final de semana pra ser feliz. Quem tem filhos pode aproveitar de uma grande flexibilidade para curtir a família e acompanhar a melhor fase das crianças.

#2
Sua melhor chance de executar projetos pessoais.

Dá para o usar o tempo que antes você gastava escolhendo roupas ou indo e voltando do escritório para colocar um projeto pessoal em prática. O CTO da Husky, Mauricio Carvalho, resolveu investir essas horas na saúde: “Em 2019, por exemplo, eu perdi 12 kg e consegui ter um rotina similar à de um atleta amador. Eu consegui participar dos treinos de competição que geralmente são em horários super aleatórios como meio dia ou 10h”. 

Outro exemplo dentro da empresa é o do Gerente de Marca e Marketing de Conteúdo, Raphael Pugliesi, que também tem conseguido conciliar melhor a vida profissional e a vida pessoal desde que entrou para o trabalho remoto: “Fiz teatro por 10 anos antes de me encontrar como publicitário. Mas a arte sempre deixou saudades! Agora, com menos interferências, menos reuniões, menos informações desnecessárias retomei meu processo criativo e tenho até escrito algumas músicas”.

#3
É possível respeitar seu corpo e criar suas próprias regras. 

Para mim, Tiago, acordar cedo é algo que nunca gostei, e já não lembro mais qual foi a última vez que acordei cedo contra a vontade do meu corpo. Voltei a ler por hobby intensivamente depois que a Husky começou, como na adolescência. A quarentena não me faz sentir saudades do escritório, mas sim dos três quartos do meu tempo que geralmente gasto fora de casa, viajando, conhecendo outros países ou cidades, aproveitando minhas sobrinhas, meu irmão, minha irmã e especialmente meu pai. 

Se conseguir organizar e definir horários regrados com a sua equipe, cada um do time pode fazer o que for melhor, acordar cedo ou dormir até o meio dia. Trabalhar remotamente de outro país ou passar um tempo com os aqueles que amamos. Você é quem conhece as suas necessidades e qual melhor caminho seguir. 

#4
Não precisa ser o primeiro a chegar, nem o último a sair. 

A menos que a empresa que você trabalhe esteja tentando replicar as regras do escritório no trabalho remoto, querendo controlar demais os horários – o que acredito ser desestimulante ao funcionário, que precisa que você confie nele – no geral, o home office põe fim na pressão de estar ali do lado do chefe o tempo todo. Não precisa estar presente, ser o primeiro a chegar nem o último a sair. Não precisamos enfrentar trânsito ou comprar roupas para estar apresentável no escritório. 

“Já me vi ficar até meia-noite no escritório porque sentia que seria melhor um projeto estar pronto para revisão assim que meu chefe chegasse no dia seguinte. Óbvio que madrugar também pode acontecer ao trabalhar de casa, mas pelo menos dá pra tomar um banho, fazer uma comidinha, talvez até tirar um cochilo e, então, retomar”,  completa Raphael. 

Toda mudança causa estranheza num primeiro momento. Mas enquanto não conseguirmos enxergar o lado positivo dela, jamais vamos superá-la e, consequentemente, gerar resultados. 

Tiago Santos, cofundador e CEO da Husky, é engenheiro de software e empresário com mais de 15 patentes registradas nos EUA, China e França. Também é co-autor de 4 livros técnicos publicados nos EUA.

Retrato de Fernanda Nunes // Foto de capa: FG Trade via istockphoto.com.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Pin It on Pinterest

Share This